terça-feira, 9 de abril de 2019

Sobrenome ganha eleição?



 Existe um ditado antigo no futebol que diz:“Camisa pesa”, serve para dizer que um time pequeno treme, quando joga com um time de tradição, que tem camisa.

 Será mesmo?

 Já foi do tempo. Se fosse assim, o Brasil ganharia todas as Copas do Mundo ou o Corinthians e o Flamengo ganhariam sempre o campeonato brasileiro. Hoje, mais importante que o nome, vem o Inve$timento que o time recebe para fazer boas contratações. Ou seja, camisa não ganha campeonato, quem ganha são os jogadores certos que vestem essas camisas.

 Na política também é assim. Já foi do tempo que o eleitor votava em sobrenome, duvida? É só lembrar os últimos 3 Prefeitos de Poção: Dr. João, Gildásio e Cascaria não tem famílias políticas, nem sobrenomes conhecidos. Muitas vezes, o político até esconde o sobrenome pra evitar rejeição, é só lembrar da última eleição Estadual onde: Roseana e Adriano Sarney esconderam seus sobrenomes, assim como Ricardo e Andrea Murad.

 Temos o sonho de um dia votarmos por ideias e propostas, porém sabemos que não só em nossa cidade, mas como em qualquer cidade pequena, isso não está em primeiro plano. E por mais que torçamos, não vai ser nessa eleição que vai ser diferente. O principal critério para ser considerado um bom candidato é que ele se disponha a gastar uma vultuosa quantia para fechar con$en$o em seu grupo e outros milhões para gastar depois com o eleitor. Nesse caso, não importa o nome ou sobrenome, o que a oposição quer é alguém que surja como um salvador da pátria, ou seria como banco? para que eles possam aceitá-lo como candidato.

 Como se diz no futebol: “o jogo só termina quando acaba” e essa partida ainda nem começou. Porém, o ingresso pra entrar custa milhões.
 Façam suas apostas.

Um comentário:

Anônimo disse...

Queremos é homem sério! Não esses que todos non já conhecemos. O atual prefeito e os demais pré candidatos são considerados como homens sérios? Só não vê quem não quer.

Postar um comentário