terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Estamos fechados pra balanço...


Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Parece que voltamos ao Século passado ou estamos em um filme de faroeste, os assuntos nas rodas de fofocas ou grupos de Wattsapp é o mesmo: Confusões, brigas, empurrões e áudios com falta de respeito. Muda-se os autores, a quem defenda o lado A , outros o B, mas o certo é que perdemos todos. Venceu a Ignorância.

 Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Não sou contra paredões de Som, sou contra a falta de respeito com o sono do vizinho, não sou contra quem goste de beber, sou contra a falta de limites que a bebida confere a alguns. Não sou contra quem supostamente tenha dinheiro, tenho pena de quem não sabe fazer bom uso e proveito dele. Não acho nada errado defender seu candidato, tenho vergonha quando isso vira baixaria.
 Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Houve, uma festa católica: Zero confusão, 100% Família, poucos presentes. Hoje à noite haverá uma festa evangélica, espero que com muito mais público e pode esperar a notícia amanhã: Nenhuma confusão, nenhuma discussão, nenhuma briga, 100% de pessoas contentes.
 Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Há algum tempo, que pra ser candidato em Poção, não basta ter dinheiro, mas precisa parecer que tem, agora além disso, tem que mostrar que é valente, arrogante e alcoólatra. Não foram os candidatos que pioraram, foi o nosso critério de escolha que mudou, pra pior.
Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Já fiz muito texto homenageando minha cidade, não aceito que ninguém fale mal dela, mas temos que fazer uma autocrítica: Está tudo certo? Queremos mudança? E o tipo de mudança que queremos são esses que aí se apresentam? Mudar nem sempre é pra melhor. Temos que dar um passo a frente, mas tomando cuidado, pois à frente pode haver um abismo e recuar amigo.... recuar só se for pra pegar impulso.
 Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.
 Esperamos dar as chaves da Cidade para o próximo político que assuma o nosso município ao invés de trocar a fechadura. Não queremos um furacão, queremos uma brisa no rosto, até porque um furacão pode destruir uma cidade, mas não tem a delicadeza para abrir uma carta. O apreço por espetáculos de violência é apenas mais um lembrete de que precisamos evoluir bastante para que possamos nos assemelhar aos macacos.
Estamos tristes, muito tristes.... Queremos paz.

créditos: Dr. Nelson Jonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário